Externa felicidade  X  Felicidade externa

Ontem fui no aniversário do meu amigo “Caprino” e vendo sua imensa felicidade em estar ali com os seus me fiz uma pergunta:
Onde nasce a fatalidade: dentro ou fora de cada um? E foi numa simples cantoria de ” lá,lá,lá,lá, lálálá…” que encontrei a
resposta: DENTRO! Afinal, tudo é mental!

Nascemos nus e sem posses. À medida que crescemos adquirimos experiências, conhecimentos e discernimentos. Juntamos tudo isso e amarramos de forma inseparável com o livre arbítrio. Surge então algo que ditará nosso destino: A ESCOLHA! Nossas escolhas moldarão o nosso futuro.

Ter algo ou alguém que nos traga felicidade é colocar nela -felicidade- pontos externos condicionantes. E geralmente o que acontece? NÃO NOS SATISFAZEMOS. Isso ocorre porque, como disse anteriormente, tudo é mental. E como mental não há como se apoiar em pontos externos, apenas nos internos. “Não são os fatos que farão você feliz ou infeliz, ao contrário, é você que, sendo feliz ou infeliz construirá circunstâncias felizes ou infelizes.”*

Externa tua felicidade e procure não se apoiar na felicidade externa, pois esta poderá de fazer cair por ser um falso apoio. Se “é você, que sendo feliz ou infeliz, faz os fatos ao seu redor”*, SEJA FELIZ! Inovando a sua mente.

PARABÉNS “CAPRINO”. Obrigado por sua amizade, ou melhor…sou seu amigo porque sou feliz…kkk!

*Trechos retirados do livro: Como vai a sua mente – Dr. Celso Charuri”

O dia em que o táxi pegou o Bond andando…

27, DOMINGO! 1305 domingos.

Pra uns o início. Pra outros o fim.

E pra vc? O fim do começo ou início do fim?

Não importa! A partir de hoje irei de te contar o que realmente importa…

O DIA EM QUE O TÁXI PEGOU O BOND ANDANDO! Uma história pra rir ou…um aprendizado!

No dia 27 de maio de 1993, numa quinta-feira, por volta das 10 horas da manhã na cidade maravilhosa do Rio de Janeiro, iniciava uma longa história. E por ser longa a contarei em frações diárias de alegria e “humdor” (terminologia criada por mim para expressar humor e dor).

Hoje é 27. Ontem foi 26. Só faltam 4 dias para o fim do mês…(só pra rimar e criar um clima)…

Mas enfim, quem pegou, literalmente, o Bond andando (sem mancar), se ele hoje mancar com você, releve! Ele tem uma diferença de 2 cm na perna esquerda… Procure tirar proveito dos anos que antecederam o seu acidente. Não por pena, inveja, medo, compaixão, solidariedade ou benevolência, mas por pura aprendizagem de diversas experiências ricas em desprendimento, criatividade e inusitado bom humor.

Nestas observações diárias postadas em formato de blog (ou por mais obsoleto que se deseje chamar) relatarei uma vida recheada de bons e vívidos momentos onde VOCÊ poderá ser citado. Antes que você venha com processos indenizatórios da boa ou má fama, imoral e moral, venho lhe pedir encarecidamente que autorize a publicação de todos os menores detalhes dos acontecimentos, dos mais sórdidos aos mais calientes, envolvendo a sua persona. Para que a minha persona não seja “non grata” conto com o seu apoio.

Não tenho a pretensão de alcançar vários “leads” de um público avesso aos personagens da história, mas tais textos servirão de registro para a imortalidade de uma turma muito extrovertida de um reino Tão-tão-distante. Distante da internet (que ainda não existia no Brasil dos anos 80). Distante do humor empobrecido que se vê de youtubers e e facebookets por ai afora.

Se em Brasilia existiu a Turma da Colina, em Goiás existiu a Turma do Cinderelo (Um Trem Azul).

Fique ligado, conectado, antenado, bluetoothado e wi-fiado. Em breve seu passado será revisto e vc se tornará uma celebridade ou, …um exemplo de que o tempo é o senhor dos senhores.

Você é parte desta história: O DIA EM QUE O TÁXI PEGOU O BOND ANDANDO…uma história pra rir ou…um aprendizado!

 

 

 

A casa dos oito conflitos

  1. Uma casa só se torna pequena em relação aos seus hóspedes! Esta casa em comento é pequena e apertada porque os seus hóspedes são gigantes. São eles: ÓDIO, OFENSA, DISCÓRDIA, DÚVIDA, ERRO, DESESPERO, TRISTEZA e ESCURIDÃO. Cada qual com o seu próprio dialeto não se entendem e falam ao mesmo tempo, falam desesperadamente para se fazerem entender, expressar o que buscam: a Paz interior. Caos! Tumulto! Correm desgovernadamente porque o tumulto está formado. Mas não se entendem porque vivem dependentes das circunstâncias. E estas são interpretadas de acordo com uma única mente: a sua! Sim, qualquer semelhança é mera coincidência. O anfitrião desta casa é você! Esta casa é VOCÊ! E os hóspedes, seus conflitos. Até quando você os hospedará? A ordem cabe a você, pois a chave de acesso à casa é a sua mente. Inove a sua mente…

 

Esperança no ar…é hora de esperançar!

“Não confundamos esperança do verbo esperançar com esperança do verbo esperar. Violência? O que posso fazer? Espero que termine… Desemprego? O que posso fazer? Espero que resolvam… Fome? O que posso fazer? Espero que impeçam… Corrupção? O que posso fazer? Espero que liquidem… Isso não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo. Mario Sergio Cortella.”

E como fazer de um modo diferente? Inovando a mente!

Esperançar que as coisas boas partam das pessoas é utopia. Viver  constantemente recolhendo o “lixo” das atitudes humanas é evoluir em meio impuro, imundo. Mas é através desse convívio que podemos tiras experiências proveitosas, para si e para os outros. Tal como a flor de lótus que mesmo convivendo nas mais impuras águas, retira delas a pureza necessária para sua sobrevivência e expele as impurezas que não lhe servem nem lhe contaminam.

Tanto a flor de lótus quanto o lixeiro convivem com as impurezas sem contudo contaminar-se por elas.

Depende de cada um inovar o modo como enxerga as impurezas, imperfeições, incompreensões, insensatez, incredulidade, in…! Inove a mente.

Contemporizar: a conjugação do verbo amar!

Para que haja um relacionamento é preciso relacionar as diferenças.

Relacionamento entre conhecimentos distintos. O ponto de partida: a compreensão do que é vida e ser humano.

Relacionamento é a relação a caminho da evolução. Qual o caminho da felicidade? Você já o percorreu? Ou está em busca de encontrá-lo?

Nos relacionamentos é necessário ter como conduta o afastamento gentil, quando o confronto das diferenças se tornar conflitante e desafiador. O que nos separa, as vezes, não será a mesma coisa que nos une: Ou seja, laços familiares. Pai e filho que um dia virará pai. Esposo e Esposa que um dia virarão irmãos. Irmãos e irmãs que um dia viram parentes distantes. Tudo a depender de como os qualificamos e da importância que os damos em nossas vidas. O certo é que importante é aquele que importamos, ou seja, o trazemos pra dentro, mais precisamente para o coração. E o fato é que quando há laços, há CONTEMPORIZAÇÃO! Dentro da contemporização há amor. Para contemporizar há de se lembrar que o amor que nos une é “amor à sua maneira” dentro do conhecimento que cada um tem, adquirido a árduas experiências.

Compreender e ajudar pelo exemplo. “Dispensar um tempo para a aquisição de novos conhecimentos na área da mente humana” e continuar a praticar o exemplo até se chegar a CONDUTA EXEMPLAR!

Por que motivo prefaciei com tantos pensamentos, uns teóricos outros práticos, mas todos reflexivos? Por que hoje é um dia especial. Um bom dia para falar em relacionamento. Hoje inicia-se um novo ano para uma pessoa com a qual decidi me relacionar há 13 anos e com a qual pretendo encerrar minha passagem nesta vida (pelo menos por mais 50 anos). E, claro, muitas são as nossas diferenças, diversos conhecimentos de culturas regionalmente distintas, vários foram os afastamentos gentis, mas sempre com um único propósito: EVOLUIR!  E estreitar cada vez mais nossos laços familiares. E neste novo ciclo evolutivo que hoje se inicia, te desejo, minha querida companheira, todo o discernimento evolutivo para que alcance extrema felicidade. E estarei ao seu lado para desfrutarmos juntos de tamanha conquista.

PARABÉNS! Te amo e você mora no meu coração. És importante para mim…

Desejo

Desejo!

Uma invenção do corpo? Etéreo? E por assim ser, limitado e relativo?

As vezes não me frustro mas talvez exista algum prejuízo, inclusive para mim, quando deixo uma semente para uma nova frustração e sofrimento. Qual seria a fórmula da felicidade? Esta não sei, mas a fórmula do sofrimento tive a honra de conhecer, mais pela prática do que pela teoria: sofrimento é igual ao tamanho de algo sobre a grandiosidade de algo maior que você considere.

Partindo desta fórmula poderíamos assim criar fórmulas de um melhor convívio entre Homens e homens? Avaliando, qualificando ou quantificando relativo e absoluto, paixão e amor, corpo e espírito, efêmero e eterno, ficção e realidade, alegria e felicidade, desejo de satisfação e desejo de evolução. Fazer esta lista de exercícios aritméticos vitais (a matemática da vida) seria muito relativo ou muito racional? Talvez sim, mas talvez nos levaria ao sentir, e por fim ao absoluto…

Inove a sua mente…